Prevenção: a melhor arma contra o câncer de mama

Nódulos nas axilas, mudanças na textura e na coloração da pele das mamas, secreções e a presença de algum tipo de nódulo podem ser sintomas de uma das patologias que mais acometem mulheres no Brasil e no mundo: o câncer de mama. Caracterizado pela reprodução desproporcional das células mamárias, este tipo de câncer ainda tem altas taxas de mortalidade no país, devido ao diagnóstico tardio. Para se ter uma idéia, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima o registro de 52.680 novos casos somente em 2012.
Em Petrolina, o Centro de Oncologia da APAMI acompanha atualmente 219 casos de mulheres com esta patologia. Para o oncologista e diretor da unidade de saúde, Gray Portela, um dos maiores entraves no combate à doença diz respeito à procura tardia das mulheres para a realização dos exames específicos. “As mulheres da região nos procuram. Essa questão do preconceito diminuiu muito, o que acontece é que algumas mulheres apresentam nódulo na mama e têm medo de procurar o médico. Isso ocorre geralmente nas mulheres mais idosas, com isso há um atraso considerável para o diagnóstico e o tratamento”, avalia. “Vale salientar que qualquer câncer tem 100% de cura quando diagnosticado precocemente”.
A mamografia é o exame que permite detectar qualquer tipo de anomalia. A Sociedade Brasileira de Mastologia aconselha a realização desta avaliação a partir dos 40 anos, anualmente. “Há ocasiões nos quais pode ser feito antes, em casos de maior risco”, explica o oncologista.
Para o tratamento da doença, a ciência já disponibiliza hoje medicamentos mais eficazes, além da hormonioterapia, quimio e radioterapia. “A cirurgia é indicada em todos os casos de câncer de mama e é seu principal tratamento se bem realizada, podendo a paciente, junto com seu mastologista, avaliar os diversos tipos de modalidades disponíveis”, destaca Gray Portela.
Pioneirismo – Através de uma parceria com a Universidade Federal do Vale do São Francisco, o Centro de Oncologia da APAMI está traçando um perfil dos pacientes que são atendidos na unidade de saúde. Através dos dados que estão sendo levantados, será possível ter detalhes sobre idade, origem, tipos de câncer mais comuns na região. Com estas informações, as instituições envolvidas poderão traçar ações mais eficazes de combate à doença.
Vida saudável – A prática regular de exercícios físicos e os cuidados com uma boa alimentação são alguns itens que podem contribuir para a prevenção do câncer de mama. “Junte-se a isso, não fumar e beber em moderada quantidade  procurar orientações de seu médico em caso de situações de risco, como a realização de algum tratamento médio na mama ou a presença de doença em algum familiar”, enfatiza o diretor do Centro de Oncologia, Gray Portela.