Câncer de mama: prevenir ainda é o melhor caminho Por Jomário Macedo, mastologista do Centro de Oncologia

O câncer de mama é o tipo de neoplasia maligna que mais acomete as mulheres em todo o mundo, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente , o prognóstico é relativamente bom. No Brasil, estima-se a incidência de 52.680 novos casos em 2012, com taxas de mortalidade muito elevadas, provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados.

A hereditariedade é responsável por apenas 10% do total de casos. Entretanto, mulheres com história familiar de câncer de mama,especialmente se uma ou mais parentes de primeiro grau (mãe, irmã) foram acometidas antes dos 50 anos, apresentam maior risco de desenvolver a doença. Mulheres que se encaixem nesse perfil devem buscar orientação médica a partir dos 35 anos e o profissional de saúde vai decidir quais exames a paciente deverá fazer. Idade, primeira menstruação precoce, menopausa tardia (após os 50), primeira gravidez depois dos 30, não ter tido filhos se constituem em alguns fatores de risco para o câncer de mama. Já a amamentação, a prática de atividade física, alimentação saudável com a manutenção do peso corporal estão associados a um menor risco de desenvolver esse tipo de câncer.

A prevenção primária dessa neoplasia ainda não é totalmente possível em razão da variação dos fatores de risco e das características genéticas que estão envolvidas na sua etiologia. As formas mais eficazes para a detecção precoce de câncer de mama são o exame clínico e a mamografia.  O auto exame das mamas como método isolado de detecção precoce do câncer de mama não é estimulado, a recomendação é que o exame das mamas pela própria mulher faça parte das ações de educação para saúde que contemplem o conhecimento do próprio corpo. Portanto, o exame das mamas feito pela própria mulher não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde (médico ou enfermeiro) qualificado para essa atividade.
Ao estabelecer que todas as mulheres têm direito à mamografia a partir dos 40 anos, a Lei 11.664/2008 que entrou em vigor em 29 de abril de 2009 reafirma o que já é estabelecido pelos princípios do Sistema Único de Saúde(SUS). A mamografia  permite a detecção precoce do câncer, ao mostrar lesões em fase inicial, muito pequenas (medindo milímetros). É o único exame que diminui a mortalidade dessa neoplasia a partir dos programas de rastreamento onde é obrigatório para todas as mulheres a partir dos 40 anos.
Os programas de rastreamento e detecção precoce do câncer de mama, bem como o tratamento instituído em estágios iniciais, atingem altas taxas de cura com mínima mutilação, permitindo uma sobrevida maior e melhor para as mulheres acometidas por esse tipo de câncer.

Fonte: INCA, Sociedade Brasileira de Mastologia